Monforte dá primeiros passos para criação de Centro Tecnológico de Construção Sustentável

O primeiro passo para a implementação daquele que será o futuro Centro Tecnológico de Técnicas de Construção Sustentável em Monforte foi hoje, 20 de junho, dado, com a assinatura de vários protocolos entre o Município e os seus diferentes parceiros neste projeto.

Com a preocupação de inverter o papel da construção enquanto “o maior responsável pela carbonização do ambiente”, este projeto, revela o presidente da Câmara, Gonçalo Lagem, ainda numa fase embrionária, está a ser preparado para que, assim que possível, seja candidatado a fundos comunitários. “Tivemos a informação, há bem pouco tempo, que em novembro ou dezembro vão sair os primeiros avisos e todos esses avisos vão ter como chavões conceitos relativos àquilo que aqui estamos a falar, neste centro tecnológico, e estamos preparados e um passo à frente para apresentar uma candidatura”, assegura.

Neste centro, adianta Lagem, quer-se estudar aquilo que, ao nível da construção, “é mais eficiente e energético”, com vista a reduzir a pegada ecológica, através das parcerias agora estabelecidas com o Politécnico de Portalegre, o Fórum Energia e Clima, a Universidade do Porto, o Instituto da Construção e a Direção-Geral do Património e Cultura. Procurar “soluções conscientes da responsabilidade e do que estamos a fazer mal”, até porque “o planeta Terra não aguenta mais”, é o principal objetivo.

O autarca diz ainda acreditar que este projeto poderá fazer “a diferença”, considerando-o “estruturante e estrutural” para Monforte, dado que poderá “ajudar a vencer a desertificação”. Por outro lado, este centro tecnológico promete conduzir ao concelho “know-how, experiência, conhecimento, academia e ciência”. “Foram estas mãos que demos hoje com esta sessão solene”, remata.

Este centro, garante, por sua vez, o presidente do Instituto Politécnico de Portalegre (IPP), Luís Loures, vai ao encontro de vários projetos de investigação que têm vindo a ser desenvolvidos naquela instituição de ensino superior, como é o caso do projeto Guardiões, dedicado ao combate às alterações climáticas no Alentejo. “O politécnico está muito comprometido com as questões da sustentabilidade, da transição energética e da descarbonização e este projeto integra essas preocupações”, assegura.

Com um conjunto de “competências significativas” nesta área, Luís Loures não tem dúvidas que o Politécnico tem tudo para ser um “player ativo” neste projeto, “com pessoas ligadas à construção tradicional, à engenharia civil, à transição energética e às alterações climáticas”.

Para além de importante, este projeto em Monforte, assegura o presidente do Fórum Energia e Clima, Ricardo Campos, “é um exemplo e uma solução para a crise climática”. Os edifícios, adianta, “são responsáveis no mundo por 20% dos gases com efeito de estufa e por consumirem 30% do total de energia que produzimos”. Passar-se a construir edifícios de forma mais sustentável “é uma urgência”, uma vez que se conseguirá reduzir a retenção de radiação infravermelha, fazendo com que as temperaturas do planeta baixem. Ricardo Campos garante ainda que este centro será “marcante”, dado que possibilitará gerar soluções ao nível da economia circular, entre outros, com a introdução de materiais reciclados na construção.

Transferir o conhecimento das universidades para a sociedade, garante o professor de arquitetura na Universidade do Porto, Bruno Marques, é a base deste futuro centro, levando até Monforte investigadores e proporcionando formação aos estudantes que queiram seguir estas áreas. Com este centro será depois possível estabelecer outras parcerias e possibilitar “um trabalho de cooperação” com outras autarquias e empresas da região, na reabilitação e na construção de edifícios. Já o presidente do Instituto da Construção, Humberto Varum, descreve o projeto como “ambicioso e muito promissor”, que poderá vir a ajudar a desenvolver a sociedade local e regional.

O projeto do Centro Tecnológico de Técnicas de Construção Sustentável, de Monforte, conta com o apoio da CCDR Alentejo.