Idaulina Borrega apresenta o seu livro “Esta Terra que eu amo…Campo Maior” este domingo

Aos 71 anos, Idaulina Borrega decidiu, por incentivo de colegas da Academia Sénior da CURPI de Campo Maior, que também frequenta, e pelo gosto que tem pela leitura e escrita, começar a escrever um livro com as suas vivências.

“Esta Terra que eu amo, Campo Maior” é o nome do livro, que demorou cerca de ano e meio a ser escrito. Campomaiorense de gema, Idaulina explica que se inspirou nas suas vivências, e nas gentes da vila, e pessoas que conheceu durante a sua vida, pelo que quando começou a escrever, ainda que “de forma tímida”, entusiasmou-se e fui buscar “a infância, a vida das pessoas do campo, antigamente, o comércio, e de tudo um pouco, porque amo estas pessoas e passava-se mal na época, e foram estas as vivêncisa que passei para o papel”, refere.

Idaulina Borrega adianta ainda na apresentação do livro, que está marcada para domingo, no Centro Cultural de Campo Maior, haverá espaço para dramatização que retrata o que está escrito no seu livro, assim como “algumas situações que se passaram na altura e as pessoas ao verem, vão também recordar aquela época, e à semelhança do livro veem também as tradições, que é aquilo que mais gosto, desta terra que eu amo”.

Questionada sobre o resultado final do livro, revela que “é maravilhoso” e diz ainda que no livro só estão escritas as suas vivências, enquanto campomaiorense. “No livro só está escrito aquilo de que eu me lembro, as minhas vivências, e ao não me recordar de algumas situações não as escrevo, mas acredito que as pessoas vão gostar porque a minha vivência foi muito parecida à das restantes pessoas, que apesar de um bocadinho custosa, ao mesmo tempo foi alegre”, remata.

“Essa Terra que eu amo, Campo Maior”, livro de Idaulina Borrega que é apresentado este domingo, às 16 horas, no Centro Cultural de Campo Maior.