Compras online disparam em tempos de pandemia

ComprasOnlineA pandemia Covid-19 levou, tanto em Portugal como em todo o mundo, a uma corrida às compras online, sobretudo durante o período de confinamento, com as lojas físicas encerradas, sendo que um estudo do European Business School garante que essa é uma tendência que vai aumentar no futuro.

Alguns setores ganharam agora também outra expressão, como os supermercados, que viram as suas vendas pela internet subirem, neste período, para cinco por cento.

Saímos à rua, para perceber se, na cidade, a população tem o hábito de fazer compras online ou se continua a preferir o comércio tradicional.

Marta Ferreira, por exemplo, explica que não faz compras online, assegurando que, pela internet, pode comprar um produto que, quando lhe chega às mãos, nada tem a ver com as imagens que viu pelos meios digitais. “É uma coisa que não tenho hábito, prefiro às lojas e ver. É diferente, porque mandamos vir uma coisa online e quando chega é outra”, explica.

Já David Andrade confessa que não faz compras online, uma vez que considera que as empresas, caso faturarem muito, através da internet, podem começar dispensar os seus funcionários das lojas físicas. “Faço sempre compras offline, porque sei que há postos de trabalho em risco”, refere, assegurando ainda compreender o facto de, por esta altura, as compras online terem conhecido um grande aumento.

Apesar de reconhecer vantagens na compra de artigos pela internet, Madalena Novo confessa não ter qualquer hábito de frequentar lojas online. “Sei que muita gente fez compras online, nesta altura, até em excesso, mas eu não fui o caso”, garante. Também Ana Fonseca garante que, nem neste período de pandemia, fez compras pela internet, até porque não confia neste tipo de serviços online.

Por outro lado, Susana Henriques pertence à franja da população que tem o hábito de fazer compras online, adiantando que, durante o período de confinamento adquiriu mais produtos pela internet que o normal, uma vez que deixou de se deslocar aos centros comerciais. À nossa reportagem enumera algumas das vantagens das lojas virtuais: “o método de escolha, o valor dá para comparar mais facilmente, entrega, tempo”. “As próprias lojas já fazem mesmo descontos para as lojas online”, explica ainda, revelando que, pelos meios digitais já comprou de tudo: roupas, viagens e até eletrodomésticos.

A verdade é que, a nível nacional, o encerramento das lojas, durante o período de confinamento, empurrou os clientes para as compras online. A Delta, por exemplo, atingiu no mês de abril números nunca antes registados ao nível das encomendas online.