Ministros defendem em Elvas ensino presencial e normalidade diária

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, estiveram, esta quarta-feira, dia 23, em Elvas, na Escola Básica 2,3 nº 2 (Boa-Fé), para acompanhar as ações de sensibilização que a Polícia de Segurança Pública (PSP) tem vindo a desenvolver em meio escolar.

Tiago Brandão Rodrigues destaca o trabalho e preocupação desenvolvidos pelas escolas no arranque do ano letivo: “as escolas tiveram a oportunidade de ter uma experiência, no final do ano letivo passado, com a abertura das aulas para o 11º e 12º anos, em maio, e depois também a reabertura dos jardins de infância no dia 1 de junho. Essa experiência foi extremamente importante para alicerçar todos os protocolos e para que todo o trabalho, também na articulação com as autarquias, pudesse ser feito e o ano letivo arranque com o cumprimento das regras”.

“Nada substitui o ensino presencial. Por muito que tenha sido necessário passar para o ensino à distância, todos sabemos que temos que voltar às escolas, quer pela literacia dos alunos, quer pela sua saúde física e mental”, sublinhou o ministro da educação.

Já o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considera que “é muito importante apostarmos na normalidade das nossas vidas. O projeto escola segura assume-se como muito importante no regresso às aulas contribuindo para um sentimento de segurança”.

“Projeto Escola Segura destina-se a toda a comunidade escolar”

Em Elvas, as ações de sensibilização têm sido desenvolvidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP), no âmbito do programa “Escola Segura”. O comissário Rui Massaneiro, comandante da Esquadra de Elvas da PSP, refere que “estas ações destinam-se a toda a comunidade escolar, desde professores a encarregados de educação. É nosso objetivo que todos adotem as medidas preventivas de propagação da Covid-19.

“A PSP está no terreno e vai continuar a estar com diferentes ações de sensibilização, quer junto dos estabelecimentos escolares, quer no caminho casa – escola, junto dos estabelecimentos comerciais”, sublinhou.

“Os miúdos têm-me surpreendido pela positiva”

Paula Rondão, diretora do Agrupamento de Escolas nº 1 de Elvas, mostrou-se “satisfeita com todo o trabalho desenvolvido por toda a comunidade escolar para que tudo corra bem. No que diz respeito aos alunos, posso dizer que ainda não tive que chamar a atenção a nenhum aluno por causa da máscara. A entrada na escola começa a tornar-se uma rotina e eles sabem que têm de desinfetar as mãos. Daí que posso dizer que eles me têm surpreendido pela positiva”.

Nuno Mocinha, presidente da Câmara Municipal de Elvas, refere que “o trabalho de arranque do ano letivo tem sido feito em colaboração com as diretoras dos estabelecimentos de ensino. Como é sabido, a câmara apanhou um processo de descentralização o que faz com que tenha responsabilidades em todas as escolas do concelho e o balanço que se faz é positivo”.

Apesar do ano letivo ter arrancado com tranquilidade, Mocinha garante que “há sempre aspetos a melhorar. E, por isso, pedimos a todos que se virem aspetos que correm menos bem que entrem em contacto, quer com a câmara quer com os agrupamentos de escolas”.

Depois de Elvas, os membros do Governo seguiram para a Escola Básica Nossa Senhora da Luz, em Arronches, onde acompanharam uma ação desenvolvida pela Guarda Nacional Republicana.