Guitarras ao Alto em Casa, em quatro noites, de 7 a 28 de maio

GuitarrasAoAltoO festival Guitarras ao Alto 2020 vai ser realizado este mês, em formato digital, com quatro sessões de conversa e muita música numa homenagem ao Alentejo.

O Guitarras ao Alto é um evento anual que parte de um desafio simples: um encontro inédito de dois músicos, que se unem pelo seu amor à guitarra. Ao desafio principal, junta-se outro igualmente importante: o de levar uma proposta cultural atual e única a um território que tem uma oferta cultural muito reduzida, o interior do Alentejo.

Em 2020, o Guitarras ao Alto iria celebrar a sua sexta edição, juntando, pela primeira vez, um nome internacional ao cartaz do festival, a guitarrista britânica Gwenifer Raymond. João Morais, mais conhecido pelo nome artístico O Gajo, aceitou o desafio de se juntar a Gwenifer numa residência artística que resultaria num projeto musical inédito a apresentar nos palcos do Crato, Estremoz, Avis e Beirã (Marvão), locais de referência da região onde normalmente acontece o evento.

No entanto, perante o atual contexto da Covid-19, o Guitarras ao Alto teve que se adaptar a esta nova realidade. Não sendo possível realizar uma edição “normal” do Guitarras ao Alto, o organizador do evento, Vasco Durão, não quis baixar os braços e criou uma alternativa: o “Guitarras ao Alto em Casa”.

Assim, foi criado um ciclo Guitarras ao Alto em formato digital, que se prolonga pelo mês de maio, não só com os músicos que iriam participar na edição deste ano, mas também com alguns dos que fazem parte da história do Festival.

O “Guitarras ao Alto em Casa” conta com quatro noites de programação musical de acordo com o seguinte calendário: Tó Trips e Filho da Mãe, a 7 de maio; Bruno Pernadas e Mário Delgado, no dia 14; Peixe e Frankie Chavez (Miramar), a 21 de maio; e, por fim, O Gajo e Gwenifer Raymond, no dia 28.

No âmbito do “Guitarras ao Alto em Casa” e da pandemia do Covid-19, foi feita uma doação de 50 máscaras de proteção ao Centro de Apoio a Deficientes Luís da Silva, em Borba, da União das Misericórdias, cujos utentes têm assistido regularmente ao evento ao longo de todas as edições, numa estratégia conjunta de inclusão de públicos diferenciados no Alentejo.