“ESAE aposta na internacionalização”, afirma Rato Nunes

Jose Rato NunesJosé Manuel Rato Nunes assume funções de diretor da Escola Superior Agrária de Elvas (ESAE), do Instituto Politécnico de Portalegre, há seis anos e meio. Este é o seu segundo e último mandato, uma vez que os estatutos não permitem mais de dois mandatos.

O diretor afirmou que “estes seis anos e meio têm sido muito gratificantes e com muito trabalho, que exige dedicação, e muito devido à colaboração com docentes e funcionários de uma forma exemplar, e juntos conseguem construir uma escola mais consolidada, e que tem vindo a crescer”.

A ESAE tem vindo a aumentar o número de alunos, “algo que não é fácil nas escolas do interior do país”, só este ano conta com cerca de 400 alunos e o objetivo é chegar aos 500. José Rato Nunes afirma que há cerca de 15 anos a ESAE era a escola agrária mais pequena do país e do IPP; no entanto, “hoje em dia, está equiparada a outras e quanto ao IPP tem uma dimensão média do instituto”.

O número crescente de alunos obriga a que a instituição disponha também de mais professores, até porque “o objetivo é dar uma componente prática muito forte”. Rato Nunes afirma que atualmente há 44 professores, dos quais 16 a tempo integral, já os restantes a tempo parcial são especialistas em determinada matéria e, desta forma, permite que a Escola tenha os melhores especialistas, mas também uma maior flexibilidade.”

A partir de 2021, o número de candidatos vai decrescer no nosso país, porque existem cada vez menos jovens. Neste sentido, a ESAE pretende apostar em duas vertentes, como explica José Manuel Rato Nunes: a primeira “é apostar em público distinto, ou seja, tentar trazer para o Ensino Superior pessoas com mais idade e já no mercado de trabalho e que complementem a sua formação”; e a segunda hipótese “é apostar na internacionalização através de protocolos com Universidades do Brasil e com os PALOP” (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), pensam assim investir nestes “mercados de alunos”, para que “a instituição se mantenha com o número de alunos que tem e contrarie esta tendência da diminuição dos mesmos”.

Outro dos objetivos é “dinamizar a parte equestre, com a realização concursos hípicos de cariz nacional e internacional, para trazer à cidade mais turistas,” como refere o diretor da ESAE. Também é objetivo “realizar mais projetos de investigação, nas áreas veterinária e agronómica.”

“A ESAE é uma instituição da cidade de Elvas que tem sido muito acarinhada e espero que continue a ser e que possamos trabalhar mais e melhor, em prol do ensino superior dentro da nossa cidade”, remata José Manuel Rato Nunes.