GNR faz balanço de Missões da Agência Europeia de Fronteira e Guarda Costeira

EmbarcaçãoA Guarda Nacional Republicana (GNR) participou, ao longo de 2019, em diversas missões da Agência Europeia de Fronteira e Guarda Costeira (FRONTEX), que tiveram como objetivo prevenir, detetar e reprimir casos de imigração ilegal, tráfico de seres humanos e outros crimes fronteiriços, contribuindo, fundamentalmente, para a salvaguarda de vidas humanas.

No total, provenientes de diversas valências policiais, foram destacados 111 militares por toda a Europa, em países como a Bulgária, Croácia, Espanha, Grécia, Itália, Lituânia, Macedónia, Polónia, Roménia e Ucrânia, que desempenharam inúmeras missões e tarefas na FRONTEX.

Das missões e tarefas desempenhadas destaque para a vigilância marítima e operações de busca e salvamento, com a utilização de embarcações; vigilância terrestre e apoio ao controlo das fronteiras, através de binómios cinotécnicos e de patrulhamento com recurso a veículos todo-o-terreno, dotados de câmaras de visão térmica (Thermo Vision Vehicle) e de sistemas de vigilância e deteção através de radar e de câmaras diurnas e noturnas, de alta resolução e alcance (Posto de Observação Móvel); investigação criminal, através de diversos militares, com formação na área, desempenhando tarefas de tratamento de dados pessoais, para efeitos de registo e asilo de migrantes, verificação e controlo de viaturas suspeitas em zonas de fronteira e processamento de informação policial e criminal; e ainda gestão de apoio logístico para a projeção de militares e agentes policiais em diversas missões.

Durante o ano de 2019 foram realizadas  1160 patrulhas; mais de sete mil horas de empenhamento; cerca de 95 mil quilómetros  (em terra)  e 7500 milhas náuticas (no mar) percorridos; cerca de 3 mil migrantes auxiliados, dos quais 763 foram resgatados de 225 embarcações detetadas; mais de 20 mil veículos fiscalizados; e cerca de 35 000 pessoas controladas, tendo sido impedidas 204 entradas ilegais no espaço Schengen.