Trabalhadores da Saúde em greve esta sexta-feira

MedicoOs trabalhadores da saúde vão cumprir um dia de greve esta sexta-feira, dia 20 de dezembro, em protesto contra “os inúmeros problemas” diários e em defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e condições de trabalho.

“A ausência de respostas por parte do Governo, em particular dos ministérios da Saúde e das Finanças, no que respeita à resolução dos inúmeros problemas vividos diariamente pelos trabalhadores dos hospitais EPE e demais serviços na dependência ou tutela do Ministério da Saúde, conduzindo à progressiva degradação das suas condições de trabalho e também da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos, não deixa outra alternativa senão a da convocação de uma greve para o próximo dia 20 de dezembro”, revela o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (SINTAP).

Através de um comunicado, o SINTAP revela ainda que “com esta jornada de luta, que engloba os trabalhadores em regime de contrato de trabalho em funções públicas e os trabalhadores com contrato individual de trabalho, pretende-se pressionar os governantes e as administrações dos hospitais EPE no sentido de tomarem medidas tendentes a resolverem os problemas que exigem resposta urgente”.

Entre os problemas que o SINTAP pretende ver resolvidos, constam a progressão nas carreiras para todos os trabalhadores; a dignificação das carreiras da área da saúde; o reforço de recursos humanos nos quadros de pessoal dos hospitais EPE e demais serviços tutelados pelo Ministério da Saúde; p pagamento das horas de trabalho extraordinário vencidas e não liquidadas; a inclusão de todos os trabalhadores na ADSE; o cumprimento do acordo coletivo de trabalho para os trabalhadores com contrato individual de trabalho, de forma a conferir-lhes um regime de carreira, em condições de igualdade face aos colegas em regime de contrato de trabalho em funções públicas; a contagem do tempo de serviço; a adoção do vínculo único; e a defesa do Serviço Nacional de Saúde.

“O SINTAP insta o Governo a iniciar processos negociais com a máxima brevidade de modo a evitar o crescimento do descontentamento e a manutenção de um clima tendente a agravar as formas de luta que visam alcançar soluções para as justas reivindicações dos trabalhadores”, pode ler-se ainda no comunicado.