Investigação deve ser o futuro dos cereais, defende a ANPOC

DSC_0010A Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais (ANPOC ) desenvolveu hoje, segunda-feira, dia 9, em Elvas, uma sessão de trabalho, com mais de 70 pessoas, com o objetivo de debater o futuro da investigação nacional na área dos cereais.

Os participantes, divididos em diversos grupos de trabalho, analisaram e apresentaram propostas relacionadas com a produção, recursos, diferenciação, sustentabilidade e transferência de conhecimento.

Bernardo Albino, da ANPOC, refere que, atualmente, “o setor da investigação já permite que a produção de cereais vá de encontro às necessidades da indústria. Sendo um setor tão antigo, como é o dos cereais, é indiscutível a sua associação à investigação”.

Fernando Carpinteiro Albino, Presidente do Clube Português de Cereais de Qualidade, considera que “a investigação é o presente do setor dos cereais. Hoje em dia, este setor dos cereais norteia-se por esta união de esforços. E é assim que nós entendemos que a investigação deve pautar a sua atuação, ou seja, juntamente com os produtores de cereais”.

DSC_0015José Maria Rasquilha, diretor da ANPOC e membro da Direção da Cersul, foi um dos responsáveis pelo grupo de trabalho que abordou o aumento e estabilidade da produção. Em declarações à Rádio Campo Maior, referiu que “é necessário trabalhar antecipadamente para se conseguir alcançar os diversos objetivos”.

A iniciativa está a decorrer na Estação de Melhoramento de Plantas do INIAV em Elvas.