Marvão de regresso às origens com Festival Al Mossassa

DSC_0027Durante este fim de semana, Marvão une-se a Badajoz numa homenagem ao fundador de ambas as localidades, Ibn Maruam, levando os visitantes do festival islâmico Al Mossassa numa viagem pelos usos e costumes do século IX.

A 14ª edição do festival na histórica vila alentejana foi inaugurada ao final da tarde de ontem, depois de já ter decorrido, no fim de semana passado, na cidade espanhola.

O presidente da Câmara de Marvão, Luís Vitorino, lembra a “qualidade do evento noturno” deste sábado – o espetáculo “Marvão, na guarda da montanha!” – que é o “ex-líbris” do certame, assegurando ainda que a parceria feita com Badajoz é já uma “aposta ganha”. “O Al Mossassa está hoje num patamar de qualidade e de excelência muito elevado e temos muitas expectativas de ter casa cheia”, assegura ainda.

Até amanhã, são esperados cerca de dez mil visitantes no evento. “Estamos a falar de uma vila medieval, de um centro histórico que não comporta grandes cargas de população, pelo que se tivermos nove, dez mil entradas já nos damos por felizes e atingimos os nossos objetivos”, alega Luís Vitorino.

Quanto aos expositores que dão vida ao “Mercado das Três Culturas”, Luís Vitorino revela que, devido à limitação do espaço, muitos dos interessados em participar no certame, tiveram de ficar de fora. “Ficou muita gente excluída, mas damos preferência aos expositores do concelho e, só depois, aos de fora”, explica o autarca. Com o espaço cheio, Vitorino diz-se ainda “feliz”, esperando que o certame decorra da melhor forma, reforçando as estadias nas unidades hoteleiras do concelho.

Já para o concejal da cultura do Ayuntamiento de Badajoz, Antonio Cavacasillas, o Al Mossassa “é uma festa muito importante”, tanto para a cidade espanhola, como para Marvão, lembrando que, todos os anos, o certame, nas duas localidades, tem vindo a conhecer um aumento do número de visitantes. Antonio Cavacasillas adianta que, por Badajoz, no fim de semana passado e pela ocasião do Al Mossassa, passaram, mais de cem mil pessoas.

Música, teatro de rua, dança do ventre, workshops e os “Mercados das Três Culturas” são os principais ingredientes deste festival, para visitar, até amanhã, no interior das muralhas de Marvão.