Terapia da Validação em destaque no “Cuidar na Demência”

Rosalia GuerraPara muitas famílias e cuidadores, é demasiado complexo abordar a pessoa com demência. Nesse sentido, a Terapia da Validação surge como um tipo de abordagem de comunicação útil, na prestação de um apoio digno.

Esta é uma ferramenta importante, sobretudo quando o doente apresenta um discurso confuso, explica Rosália Guerra, do gabinete Alzheimer Maior, de Campo Maior. A Terapia de Validação defende que, em vez de se tentar trazer a pessoa de volta à realidade, é “muito mais positivo entrar na sua realidade”.

Por exemplo, “a pessoa pode começar a falar dos seus pais, como se eles ainda estivessem vivos, quando não estão”. Sem dar ênfase à questão da morte, “podemos invocar memórias associadas àqueles familiares que, por um motivo ou outro, vieram à memória da pessoa com demência”, adianta Rosália Guerra.

A Terapia da Validação, uma forma de resolver conflitos não terminados, aliviar experiências passadas ou afastar-se do presente, sobre o qual a pessoa com demência tem pouco controlo, é o tema desta semana da rubrica “Cuidar na Demência”.