Diretor de centro de formação da GNR em Portalegre demitiu-se

Sem TítuloO ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse hoje que “foi aceite o pedido de exoneração” do diretor do centro de formação de Portalegre da GNR, após a polémica criada com as denúncias de violência excessiva durante o curso de guardas.

Eduardo Cabrita disse estar “desagradavelmente surpreendido” com os acontecimentos de Portalegre e afirmou aos jornalistas que “não é admissível a demora na facultação de factos relevantes”.

O Ministério Público “determinou a instauração de um inquérito” à alegada violência de instrutores no 40º curso de formação de guardas da GNR e que levou uma dezena de alunos a serem hospitalizados.

Entretanto, o DN ouviu o General do Exército, Carlos Chaves que dirigiu a Escola da GNR – nos centros de formação de Queluz, Portalegre, Aveiro e Figueira da Foz – durante três anos e foi o responsável pelo Comando de Doutrina e Formação.  Após o visionamento das imagens do treino, o General disse que não ter dúvidas: “o instrutor claramente perdeu a cabeça!”.