Oposição na Câmara de Elvas quer referendo sobre venda da Herdade D. João

OposicaoElvasA decisão da maioria socialista na Câmara de Elvas de vender em hasta pública a Herdade de D. João, com valor base de 3,3 milhões de euros, tomada na reunião do executivo desta semana originou uma reunião de quase todas as forças políticas concorrentes às últimas autárquicas de 1 de outubro.

Numa reunião com a ausência do PCP e a presença de PSD, CDS, Bloco de Esquerda e Movimento Cívico por Elvas (MCPE), reuniram estas forças políticas e apresentaram em conferência de imprensa as suas ideias contra a venda da Herdade de D. João.

José Bagorro (MCPE), José Manuel Rato Nunes (CDS), João Barrradas (PSD) e Rui Salabarda Garrido (BE) foram os porta-vozes contra a venda da propriedade, convidando a maioria socialista a procurar outras alternativas, sobretudo do lado da despesa, já que não concordam com o aumento de taxas e impostos municipais.OposicaoElvas1

Estas forças políticas querem promover uma reunião extraordinária da Assembleia Municipal para debater o assunto e se necessário chegar a um referendo local onde os elvenses sejam convidados a votar sobre a venda da propriedade. Para solicitar a reunião da Assembleia Municipal são necessários 10 deputados municipais que estas forças políticas acreditam conseguir reunir.

Mocinha disse em entrevista exclusiva à Rádio ELVAS no final do ano passado que procura alternativas de financiamento municipais para algumas obras onde o Município não tem garantida a sua parte, como por exemplo a obra do Ciclo de Santa Luzia.