Restaurante São Pedro foi inaugurado (c/fotos)

DSC_0003São Pedro é o novo restaurante em Campo Maior. Este novo espaço, gerido pelo empresário Nuno Portela, foi inaugurado esta quinta-feira, 1 de Fevereiro, com especial destaque para a garrafeira e as duas salas de refeição. O restaurante promete ser um marco na restauração do Alentejo.

Segundo Nuno Portela, de apenas 26 anos, a ambição em abraçar um projeto desta envergadura não é de agora, e acredita que este restaurante tem condições para ser uma referência na região.

“Tínhamos um bom espaço e uma referência num conceito que queríamos aproveitar. A nível de decoração temos um toque de antiguidades aliado ao moderno. O objetivo é que este espaço seja a principal referência, o facto de termos uma zona de bar onde vamos trabalhar o cocktail e uma garrafeira vocacionada para os vinhos, penso que o conceito aí pode pegar. No verão vamos criar um espaço lounge aberto, onde possamos ter ‘sunset’, com a mesma qualidade desta primeira fase que é as duas salas e a garrafeira”, disse Nuno Portela à nossa reportagem.

O presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva, foi um dos presentes na inauguração.

Ceia da Silva usou este restaurante como exemplo e falou da necessidade de existir locais que possam não receber os turistas. “Eu costumo dizer, em turismo divide-se em duas áreas, em atração e recepção. Eu posso ter as melhores cidades romanas melhores igrejas, a melhor albufeira do Caia, e melhor animação turística, mas se não tiver turismo de recepção isso não me serve para nada. Serve somente para grupos de turistas, visitarem a cidade mas depois regressarem. Precisamos de bons hotéis, bons locais de turismo rural e bons restaurantes. É isto que Campo Maior precisa”, disse António Ceia da Silva.

O Presidente da CM de Campo Maior, Ricardo Pinheiro, referiu que lhe deu gosto ver este projeto desenvolver-se e espera que Campo Maior consiga responder à expectativa dos turistas.

“Campo maior tem uma estratégia cultural que não é minha é dos nossos antepassados. Ainda não sabemos o que vamos fazer dentro do Castelo, mas havia a necessidade de elevar a restauração em Campo Maior. Havia um vazio de responsabilidade institucional de não podermos ter um restaurante para estar lado a lado às espectativas”, disse.

O investimento neste restaurante ronda o meio milhão de euros e vem somente de capital próprio.

A especialidade da casa será o Costeletão, um quilo de carne de vitela maturado; o frango e o bacalhau, aliado à carta de vinhos, especialmente focada no vinho alentejano.