PROGRAMA +E +I APRESENTADO NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

uelineO programa Estratégico para o Empreendedorismo e a Inovação (+e+i) foi apresentado ontem, quinta feira, na Universidade de Évora (UE), prometendo estimular a capacidade empreendedora dos jovens portugueses, tornando o país mais inovador, empreendedor e competitivo nos mercados.

O coordenador do +e+i, criado pelo Ministério da Economia e do Emprego, explicou que este programa tem como objetivos “o aumento da competitividade da economia nacional, e a dinamização do tecido empresarial”. João Fernandes apresentou ainda os seus quatro pilares fundamentais: “o alargamento das competências da população, a dinamização da inovação, o estímulo ao empreendedorismo e a promoção destes objetivos, através de financiamentos planeados.”

Rita Silva do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI) apresentou o passaporte para o empreendedorismo, uma ajuda aos jovens empreendedores, através de um conjunto de ferramentas, tal como um guia prático, assistência técnica no desenvolvimento do plano de negócios, acesso facilitado a capital de risco, atribuição de bolsas para desenvolvimentos de projetos empresariais e acompanhamento dos projetos por mentores.

Nuno Macedo, da Portugal Ventures falou sobre outro programa de apoio ao empreendedorismo dos jovens, o Call For Entrepreneurship. Este “programa de ignição”, assim o definiu, investe em projetos inovadores e orientados para o mercado global, promovendo a valorização económica da ciência e da tecnologia nacional.

Anthony Burke, docente do departamento de Química da UE e António Dias, docente do departamento de Engenharia Rural da mesma universidade, apresentaram casos práticos de empreendedorismo que nasceram no âmbito da investigação académica: o desenvolvimento de tecnologia quiral para a indústria farmacêutica e a máquina de colheita em contínuo de azeitona, respetivamente.

O vice-reitor da UE, Manuel Cancela d’Abreu, contou à plateia que na instituição “tem já uma longa tradição de transferência de conhecimento para as empresas”, defendendo que “as universidades têm de ter sistemas que detetem precocemente conhecimentos e tecnologias que se possam transferir para as empresas”. O dirigente referiu ainda que deposita muita esperança no Sistema Regional de Transferência de Tecnologia para desenvolver o Alentejo e que “a UE está comprometida com a região para o seu desenvolvimento.”

Carlos Braumann, reitor da UE, explicou que “a Universidade tem uma responsabilidade muito grande na formação de quadros empreendedores e consequentemente no desenvolvimento regional”.

À margem da apresentação do programa +e+i foram assinados protocolos de apoio à criação destart-ups entre o Ministério da Economia e entidades regionais: a Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, S.A. (ADRAL), no âmbito dos projetos Alentejo Empreende, (Começar e Centro Ideia, com a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, SA. e Associação transfronteiriça dos municípios das terras do grande Lago Alqueva para as Aldeias Ribeirinhas do grande lago do Alqueva, e ainda com a NERSANT – Associação Empresarial do concelho de Santarém, para os projetos EmpCriança, EmpreEscola, ApoiarMicro e o Sítio do Empreendedor.