Austeridade: “Agravamento Brutal” de Impostos

IRSO novo pacote de austeridade prevê sobretaxa no IRS e revisão dos escalões do imposto. Os Funcionários públicos e pensionistas veem reposto um subsídio mas podem acabar por perdê-lo com o agravamento fiscal. É esta a alternativa à proposta da TSU, anunciada esta tarde pelo ministro das Finanças.

A taxa média de IRS passa de 9,8 por cento para 11,8 por cento.

Vítor Gaspar, anunciou um “agravamento brutal” da fatura do IRS, um dos maiores aumentos de impostos em Portugal. O número de escalões vai encolher para cinco e  a taxa máxima ultrapassará 50%. Esperam-se consequências para a generalidade dos portugueses que pagam IRS. Além do novo desenho da tabela geral do IRS, o Governo vai também aplicar uma sobretaxa de imposto, de acordo com o jornal “Expresso”.

As duas medidas vão servir para compensar o aumento da Taxa Social Única, a solução que foi abandonada na sequência  da chuva de críticas de todos os quadrantes da sociedade, mas também para ajudar a levar o défice até 4,5% no próximo ano. No caso dos funcionários públicos será reposto um dos subsídios, enquanto aos pensionistas e reformados será devolvido um pouco mais do que uma desta prestação. O dinheiro reposto será depois retirado via IRS. O saldo final deverá significar que trabalhadores do Estado e pensionistas ficarão sem dois subsídios e quem trabalha no setor privado perderá cerca de um.

No que toca ao património, vão subir os impostos sobre os imóveis de alto rendimento (com valor patrimonial tributário acima de um milhão de euros) a começar a aplicar já este ano, assim como vai aumentar a tributação de outros bens de luxo (carros de alta cilindrada e barcos de recreio), do tabaco e das transações financeiras.