Dor Crónica afecta 30% dos portugueses

dorA dor crónica afeta cerca de 30 por cento dos portugueses, sendo esta uma das principais causas do absentismo no trabalho.

Dores fortes que podem durar anos e que alteram a vida de quem as sente. E é essa a principal diferença entre a dor crónica e a dor normal. São dores que persistem no tempo e que muitas vezes se associam à depressão, ansiedade e distúrbios no sono.

A dor crónica é a principal queixa de quem vai ao médico. Uma doença com custos elevados para o país. As baixas e as reformas antecipadas representam por ano ao Estado 1400 milhões de euros. A crise económica agravou o problema. Com a competição no mundo do trabalho há quem esconda o sofrimento provocado por esta patologia.